Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2006

Mulher Sol

sol.jpg

Não vejo o dia anoitecer, fecho-me dentro do Sol que trago em mim, brilho para o meu interior, ofusco o meu centro, escondo-me atrás das nuvens que toldam o surrealismo do espaço de ilusões que invento, perco-me entre ocultas verdades que me fogem, e certezas gritantes que se escapam entre os meus dedos.
Com a chave do Amor, abro a secreta passagem, desvendada num futuro que já vivi, caminho num enleado de caminhos empedrados de um belo jardim, onde as viçosas flores que o enfeitam, são olhares doces, que se cruzam com o meu, fazendo-me brilhar, dando-me forças para continuar.
Vagueio neste labirinto de sonhos, onde os becos sem saída, são espelhos onde vislumbro os meus erros, mas surpreendo-me com o reflexo sorridente do meu semblante, encanto-me com a expressão radiante que se solta do meu rosto, quando me levanto a custo, de uma queda desamparada, à mercê de perguntas e respostas nunca encontradas.
Mais uma vez a dúvida apossa-se desta amálgama de sentires que brota da minha pele, não entendo, nem consigo compreender este misterioso brilho, não percebo, se é um Sol que nasce todas as manhãs na minha alma, ou apenas uma astuciosa magia, materializada numa máscara, nesciamente inventada, em momentos de desejo, para te encantar e te ter junto a mim...

publicado por cabeça na lua às 00:02
link do post | comentar | favorito
13 comentários:
De Anónimo a 11 de Janeiro de 2006 às 11:21
Deixa o sol da manhã brilhar e aquecer o desejo que sentes! Se é por ele que acordas, é por ele que tens de viver! Um beijo docecalipso
(http://calipso.blogs.sapo.pt)
(mailto:calipso_so@sapo.pt)


De Anónimo a 11 de Janeiro de 2006 às 08:36
Poema de Amor

Rosa Clement, © 2001

Deixa em teu rosto minhas mãos carentes
e sente como estão úmidas de amor,
e que na brevidade do calor,
dizem palavras mudas-eloquentes.

São mãos querendo desespedamente
carícias que um tempo sem candor
levou, e, que despidas de pudor
procuram por lembranças já dormentes.

Se a lua faz-se bola de cristal,
e vagalumes beiram o luar,
elas se aquecem em teu brilho banal.

Deixa teu rosto de pedra sonhar
que minhas mãos são jorros d'agua e sal
que caem sobre ti com sons de mar...

apaixonada
(http://deusadoprazer.blogs.sapo.pt)
(mailto:apaixonada_1@sapo.pt)


De Anónimo a 11 de Janeiro de 2006 às 05:46
Olá minha querida e Amada amiga. Que belo texto. Um desejo é uma prece que fazemos interiormente. Quanto mais forte for a formulação desse desejo, mais forte é o retorno mágico que o pode realizar. Quando uma prece interior é realizada, não podemos deixar de nos maravilhar e de acreditar. Assim, sente os teus desejos, faz as tuas preces, confia na Magia. Beijinhos Pagan
(http://paganheart.blogs.sapo.pt)
(mailto:henriquemoreira1@hotmail.com)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Fevereiro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Convite...

. Prazer...

. Acreditar...

. Silêncio...

. Ausência...

. Hoje não...

. Fuga...

. Encanto no olhar...

. Ultima vez...

. Tocas-me...

.arquivos

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

SAPO Blogs

.subscrever feeds